quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Eu gosto demais

Eu gosto de MPB, mas nem todo mundo sabe disso. Gosto das músicas abrasileiradas, meio brasileirinhas, meio sapucaí. Me dão paz de espírito, uma vontade de amar, ser amada, agarrar e ser agarrada. Gosto de forró, xaxado, samba (de sampa também) e de pagode, arrocha, sertanejo. Gosto do sabor da paixão de cada estilo musical.
E eu gosto de dançar. Sabe aquele dançar agarradinho? Gosto também, mas não ligo de dançar sozinha. Danço até músicas que não são pra dançar, pois meu corpo gosta de música também. Danço na chuva, na balada, no meu quarto, no seu quarto, no chuveiro, na minha mente quando a sociedade me obriga a fingir que não há ritmo no meu fone de ouvido. Ah, antes que eu me esqueça de citar, minha música tem sido você.
Disso todo mundo sabe: eu gosto de doces. Desde palavras aos docinhos de aniversário de criança. Apesar de ter chocolate como meu doce preferido, fico mais feliz quando recebo um sorriso doce, um gesto doce, um olhar doce. A doçura escondida que há nas pessoas é a mais gostosa. Dá gosto ver como eu fiquei doce com você, comigo mesma e com o mundo nos últimos seis meses, mesmo tirando aos poucos o açúcar da minha alimentação.
Eu gosto de malhar, e isso foi uma surpresa pra todo mundo (tem quem ainda não acredite nisso de verdade), menos pra mim. Eu sempre soube disso. Sempre fui metódica, a musculação é uma parte de mim. Gosto de me sentir mais forte, física e psicologicamente. E eu estou mais forte, física e psicologicamente.
E eu gosto de rosa, gosto de sorrir, gosto de agradecer, gosto de sentir o vento no meu rosto, gosto de ver o nascer e o pôr-do-sol. Eu gosto de usar vestidos rodados e me sentir com 10 anos de novo, gosto de andar de bicicleta, gosto da natureza, gosto de animais, gosto de fotografias, gosto de praia e de campo. Gosto de ajudar as pessoas, gosto de dar e receber carinho, gosto de receber sorrisos como recompensa. E de repente eu percebi que eu gosto de (quase) tudo.
No último ano eu percebi que eu gostava demais, e gostava tanto que eu não sabia ao certo o que eu gostava mais pra colocar como prioridade nas míseras 24 horas que o dia me dá. E aí você se adicionou na lista que já estava superlotada. Sorte a sua que eu aprendi a escolher. Ou talvez sorte a minha que você também me escolheu. Eu gosto de tudo, mas o mais importante é que eu gosto de você.

Nenhum comentário: